Create a Joomla website with Joomla Templates. These Joomla Themes are reviewed and tested for optimal performance. High Quality, Premium Joomla Templates for Your Site

1.      Dados Gerais

 

A Obra do Aproveitamento Hidroagrícola do Caia inicia-se em 1963 com o lançamento das principais empreitadas e no dia 10 de Fevereiro de 1967 efectuou-se o fecho da comporta da descarga de fundo e iniciado o enchimento da albufeira. Na origem beneficiava 7258 ha e actualmente 7210 ha numa extensão acentuadamente longitudinal de 35 km ao longo do rio Caia em Portugal e fronteira com Espanha e Guadiana só com fronteira com Espanha.

 

A dotação média anual é de 6840 m³/ha para a agricultura e um consumo total previsto para os Concelhos de Arronches, Campo Maior, Elvas e Monforte com uma dotação anual máxima prevista de 10 10-6m³e hoje ainda abaixo do previsto.

 

2.      Caracterização da Obra

 

2.1.   Parâmetros Hidrológicos

 

1.            Precipitação efectiva                                                        

 

646.7 m/m

2.            Precipitação Eficaz

 

138.6 m/m

3.            Défice de escoamento                                                    

 

508.1 10-6m³

4.            Coeficiente de escoamento                                            

 

0.214 10-6m³

5.            Escoamento médio/anual                                                   

 

70 10-6m³

6.            Caudal de Cheia                                                          

 

1080 m³/seg

 

3.      Albufeira

 

3.1.   Cota de Pleno Armazenamento - NPA                                       

233.90m

3.2.   Cota de Máxima Cheia - N.M.C.

233.50m

3.3.   Folga Normal

2.00m

3.4.   Folga para a Máxima Cheia                                                            

1.50m

3.5.   Bacia Hidrográfica                                                                        

571 Km

3.6.   Área Inundada                                                                             

1970 Ha

3.7.   Afluência em Ano Médio                                                          

60.9 10-6m³

3.8.   Escoamento Médio Anual                                                        

80.2 10-6m³

3.9.   Capacidade Total                                                      

203 10-6m³

3.10.        Capacidade Morta                                                                  

10.7 10-6m³

3.11.        Capacidade Útil                                                        

192.3 10-6 m³

 

4.      Barragem

 

4.1.   Composição por troços de terra e de betão respectivamente com desenvolvimentos de 450 m sobre o encontro esquerdo e 499 m com 25 contrafortes

 

4.2.   Descarregadores de Cheias

 

1 - Comportas

2x10x4m

2 - Capacidade Máxima

430 m³/seg.

3 - Tipo de Descarregador

sôbre a Barragem

4 - Cota da Crista da Soleira                                                            

229.50m

5 - Desenvolvimento da Soleira                                                             

20m

 

4.3.   Descarga de Fundo

 

1 - Capacidade Máxima                                                               

59 m³/seg.

2 - Diâmetro da Conduta                                                                        

2m

3 - Cota                                                                                          

195.40m

 

4.4.   Tomada de Água

 

1.            - Capacidade Máxima                                                       

8.51m³/seg.                                                                    

2.            - Diâmetro da Conduta                                                       

2m

 

4.5.   Desenvolvimento do Coroamento                                                                               949 m

 

4.6.   Altura

 

4.7.   Energia e activamento orgãos de segurança

 

4.7.1.  Descarga de Superfície constituída por duas comportas mecânicas comandadas por flutuadores, com capacidade 70m3/s          

 

4.7.2.  Descarga de fundo constituída por válvula cónica comandada por motorização elétrica e respetiva comporta de segurança com comando óleo hidráulico com capacidade de 10 m3/s         

 

5.      Estações Elevatórias

 

Para apoio da rede de rega por gravidade foram instaladas duas Estações Elevatórias de rega - Vale Morto e Carrascal para regar respectivamente 580 ha e 195,45 ha

 

5.1.   Carrascal

 

1 - Caudal Nominal                                                                                                       2x120 l/s

                                                                                                                                        1x60 l/s

 

5.2.   Vale Morto

 

1 - Caudal Nominal                                                                                                       2x370 l/s

                                                                                                                                      1x180 l/s

 

Controlo a Montante                                                                                   Comporta Vagão

 

Controlo a Jusante                                                                                       Válvula de Jacto Oco

 

Características das Estações Elevatórias

 

Designação

Carrascal

Vale Morto

- Grupos electrobombas

 

 

   - Número de grupos ..........................................

3

3

   - Potência dos motores .....................................

2 x 30 CV

2 x 110 CV

  

1 x 20 CV

1 x  60 CV

   - Caudal nominal das bombas ...........................

2 x 120 l. s-1

2 x 370 l. s-1

  

1 x 60 l. s-1

1 x 180 l. s-1

    - Altura manométrica .......................................

11,5 m

16,5 m

- Posto de transformação

 

 

    - Potência ..........................................................

75 kVA

315 kVA

    - Relação de transformação ..............................

6 000 V/400 V

30 000 V/400 V

- Consumo médio anual de energia ......................

55 700 kWh

256 400 kWh

 

6.      Sistemas de Telegestão

 

6.1.   Central Hidroeléctrica

 

6.2.   Estações Elevatórias

 

6.3.   Distribuidores

 

7.      Elementos de Distribuição

 

7.1.   Rede Primária/3 Canais

40.500 m

7.2.   Rede Secundária/8 Distribuidores

33.579 m

7.3.   Regadeira

164.632 m

7.4.   Reservatórios Estabilizadores

 

 

Elementos Relativos aos Canais, Distribuidores e Regadeiras

 

 

Designação

 

 

Desenvolvimentos

(m)

Áreas dominadas (há)

 

Caudais

(m . s –1)

- REDE PRIMÁRIA

 

 

 

  - Canal condutor Geral ..........................................

6 500

20

8,510

  - Canal de Elvas ......................................................

22 900

4 460

5,130

  - Canal de Campo Maior ........................................

11 100

2 920

3,360

                                Somas ........................................

40 500

7 400

 

 

 

 

 

- REDE SECUNDÁRIA

 

 

 

    - Com origem no canal de Elvas

 

 

 

    - Distribuidor das Barrancas ................................

490

290

0,340

    - Distribuidor do Carrascal ..................................

2 212

195

0,230

    - Distribuidor da Comenda ...................................

1 992

380

0,440

    - Distribuidor da Fronteira ..................................

4 244

816

0,940

    - Distribuidor da Gramicha .................................

4 096

79

0,370

 

 

 

 

- Com origem no canal de Campo Maior

 

 

 

  - Distribuidor da Godinha ......................................

6 575

614

0,710

  - Distribuidor da Madrugueira ...............................

682

168

0,200

  - Distribuidor de Campo Maior ..............................

13 288

580

0,670

                          Somas .............................................

33 579

3 122 (*)

 

 

 

 

 

- REGADEIRAS

 

 

 

  - Do Canal Condutor Geral ....................................

1 447

20

 

  - Do Canal de Elvas ................................................

56 031

2 589

 

  - Dos Distribuidores do Canal de Elvas .................

30 177

1 681

 

  - Dos Canal de Campo Maior ................................

45 498

1 475

 

  - Dos Distribuidores do Canal de Campo Maior ...

31 479

1 362

 

                           Somas .............................................

164 632

7        127 (*)

 

 

8.      Colectores de Enxugo                                                                                                                                       40.7km

 

1.      Colector do Vale Morto

5 447 m

2.      Colector dos Foros da Godinha

8 067 m

3.      Colector da Godinha

11 284 m

4.      Colector da D. Joana

3 763 m

5.      Colector do Melo

3 118 m

6.      Colector da Comenda

1 968 m

7.      Colector das Caldeiras

1 683 m

8.      Colector do Monte Campo

2 443 m

9.      Colector de Alagada a D. Joana

2 938 m    

 

40 711 m

 

9.      Solos

 

9.1.   Várzeas de textura franco arenosa, óptimo coeficiente de infiltração, boa drenagem

 

9.2.   Barras vermelhas calcárias de textura franco argilosa, bom coeficiente de infiltração e normal drenagem

 

9.3.   Zonas na margem esquerda do rio Caia com ligeira textura, baixa taxa de infiltração, de eficiente drenagem

 

10.  Estrutura Fundiária

 

É variável e projecta-se de pequena propriedade em maior número e menor área para a grande propriedade em menor número com mais área.

 

11.  Concepção da Obra

 

11.1.       Assenta no fornecimento de água por gravidade inicialmente em períodos anuais de 6,5 a 7 meses devido à duração de manutenção e conservação de canais e actualmente, devido à impermeabilização daqueles o fornecimento processa-se em 11 meses permitindo culturas de outono/inverno impeditivas anteriormente

 

11.2.       80% nos dias de hoje rega por pressão de iniciativa privada

 

12.  Ocupação média anual da área regada e culturas predominantes

 

 

Períodos

%

Tipo de Rega

Culturas Dominantes

Dotações de Rega m³/ha

Unidades Fabris

 

Manual e Telegestão

 

1ª Década 1969/1978

54

Gravítica

Tomate

6 000

2

Manual

2ª Década 1979/1988

51

Gravítica

Tomate

Arroz

6 000

14 000

1

Manual

3ª Década 1989/2008

74

Gravítica e Pressão

Milho

Girassol Tomate Beterraba

8 500

3 000

6 000

7 000

______

Telegestão

e

Manual

4ª Periodo 2009/2011

76

Pressão e Gravítica

Olival

Milho

Tomate

Pomar

Horto- Indust.

3 000

8 000

6 000

8 000

3 000

_______

Telegestão

e

Manual

 

Obs. Nos últimos 3 anos a área total regada considerando também a de titulo precário aproxima-se dos 9 000 ha

 

13.  Taxa de Exploração e de Conservação

 

13.1.        Água

 

I. Área Beneficiada

0.0189€/m³

II. Área a Titulo Precário                                               

0.02477€/m³

 

13.2.        Solos de Aptidão ao Regadio

 

1ª Classe

56.364 €/ha

2ª Classe

45.141 €/ha

3ª Classe                                                                          

36.342 €/ha

 

14.  Objectivos

 

1.            Uso racional da água

 

2.            Ações de conservação do ambiente

 

3.            Prestação de serviço de qualidade ao agricultor

 

4.            Aplicação das técnicas mais actualizadas na distribuição e fornecimento de água

 

5.            Manutenção, conservação e melhoria da Obra

 

6.            Aproveitamento da energia endógena através da água - instalação de Central Hidroeléctrica

 

15.  Central Hidroeléctrica

 

No ano de 1992 e para aproveitamento das energias endógenas inaugura-se uma Central Hidroeléctrica das seguintes características:

 

A central é equipada com um sistema de automação que possibilita um regime de exploração de tipo abandonado, com telecomando a partir da sede da Associação.

 

A manobra das comportas a montante do canal de rega são também automatizada, sendo o respectivo funcionamento coordenado com o da turbina, por forma a ser optimizada a produção da energia eléctrica.

 

A potência instalada na central é de 600 kW e a energia produtível média anual é 1.500 MWh.

 

 

 

 

Características Técnicas Gerais

 

· Circuito hidráulico

 

        - Conduta forçada em aço (D = 1,20 m) com o comprimento aproximado de 35 m.

 

        - Canal de restituição em betão de secção rectangular, com a largura de 3,0 m e o comprimento aproximado de 45 m.

 

· Edifício semi-enterrado da central

 

        - Compreende a sala da máquina (grupo turbo-gerador) e a sala de quadros.

 

· Características principais do grupo turbo-gerador

 

 

Turbina Kaplan do tipo “S” com eixo horizontal e regulação dupla.

Queda

8 a 23 m

Caudal turbinável

0,9 a 3 m3/s

Velocidade de rotação

750 r.p.m.

Gerador do tipo assíncrono com a potência máxima de 600 kW aos terminais, tensão de 0,4 kV e factor de potência mínima de 0,85.

 

 

· Equipamento hidro e electromecânico

 

        - Válvula de isolamento do tipo borboleta (D = 1,20 m).

 

        - Comporta ensecadeira de jusante.

 

        - Transformador de potência (830 KVA).

 

        - Quadros dos serviços auxiliares, de comando e controlo hidráulico, de automação e telecomunicações.

 

        - Bateria de condensadores

 

 

16.  Evolução das reservas hídricas ao longo dos anos de exploração

 

Data/ Cota/ Volume

 

17.  Dados Metereológicos

 

Data   Pluviosidade Acumulada     Temperaturas

 

Minima/ Máxima